30 janeiro, 2007

Acerola

Posted in alimentação, frutas às 6:34 pm por Marcelo Guerra

acerola.jpg

Propriedades Nutricionais: Muito rica em vitamina C, também é fonte de
betacaroteno, vitaminas do complexo B e dos minerais cálcio, fósforo, ferro,
magnésio e manganês.
Valor Calórico: 100 gramas de acerola fornecem 32 calorias.
Propriedades Medicinais: Ajuda a manter as defesas do corpo e, provavelmente,
reduz o risco de alguns tipos de câncer. Além disso, pode diminuir a taxa de colesterol
no sangue e é boa fonte de potássio, que ajuda a regular a pressão arterial.

O Processo de Ser

Posted in antroposofia, biográfico, psicoterapia, terapia biográfica, vivência às 3:40 pm por Marcelo Guerra

“Todo ser vivo está em processo, que é simplesmente o fluxo, o curso de sua jornada de vida. Tais processos são tanto arquetípicos – compartilham padrões comuns a todos os seres, tais como gestação, nascimento, morte e ressurreição – quanto exclusivos de cada ser em particular.”

Allan Kaplan (Artistas do Invisível)

O objetivo dessa vivência é tornar consciente o processo de ser de cada um, para que o indivíduo torne-se responsável pela sua própria evolução, em vez de apenas sujeitar-se a ela.

Em todos os mitos e contos de fadas há um momento em que o herói ou a heroína percebe um chamado e inicia uma aventura da qual voltará transformado(a). Assim também ocorre na vida, afinal os mitos e contos de fadas são somente representações do que passamos na vida.
Este é um chamado para uma aventura para dentro de sua própria história de vida, que terminará trazendo à tona um melhor conhecimento daquilo que você é, de suas qualidades e fragilidades, permitindo que você elabore esses elementos e dê um novo rumo à sua vida.

As atividades visam a equilibrar as três esferas do ser: o pensar, o sentir e o agir. Para isso, lançamos mão de atividades artísticas e corporais e da fala.

Coordenação: Marcelo Guerra, médico
Rama Krisna Moura de Jesus, professor
Formação de novos grupos em Nova Friburgo e no Rio de Janeiro. Encontros mensais, sábados pela manhã (em Nova Friburgo) e 4ªs feiras pela manhã (Rio de Janeiro) . Início em 3 de março de 2007, às 9h (Nova Friburgo).

VAGAS LIMITADAS (até o momento só restam 3 vagas)

Investimento: R$80,00 por mês
Informações e inscrições: (22) 92544866

Jung e o I Ching

Posted in i ching, jung às 8:27 am por Marcelo Guerra

O PSIQUIATRA BICHO-GRILO

Sentado no chão do pátio, à sombra de uma pereira centenária, o sábio lança varetas e consulta os oráculos do I Ching. Dia após dia, durante horas e horas, sem se cansar. “O Livro das Mutações é um ser vivo e em suas respostas podemos notar a marca de uma personalidade distinta”, escreveu aquele intelectual alguns anos mais tarde, relatando suas experiências com o clássico.
A cena descrita acima não se passa na China antiga, mas em um pequeno castelo na cidadezinha de Bollingen, na Suíça, durante o verão de 1920. O sábio sentado no chão é o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung,umpioneiro no estudo do inconsciente humano no século 20. Jung, que de cético não tinha nada, acreditava que a mitologia e as religiões da Antiguidade podiam ajudar o homem a conhecer melhor sua própria alma. O psiquiatra sempre se interessou por filosofia oriental – mas foi nas férias de verão de 1920 que começou a lançar as varetas proféticas. Foi amor à primeira consulta. “Encontrei relações cheias de sentido entre o que diziam os textos dos hexagramas e meus próprios pensamentos – fato que eu não conseguia explicar a mim mesmo”, conta Jung no livro Memórias, Sonhos, Reflexões. O fascínio do I Ching levou Jung a formular a teoria da “sincronicidade”, segundo a qual, em determinadas ocasiões, paralelos emergem entre o mundo da mente e omundo real – paralelos que, segundo ele, a civilização ocidental chama de “mera coincidência”. Para Jung, a coincidência não deve ser desprezada: o acaso, muitas vezes, faz sentido. A indicação de um determinado hexagrama pelo lançamento de varetas ou moedas pode parecer algo aleatório, mas também pode iluminar elementos ocultos no inconsciente de quem faz a consulta. Mesmo quando o sentido das frases é ambíguo e rarefeito, o simples ato de refletir sobre elas pode levar o paciente ao autoconhecimento. Jung testou sua teoria no consultório. Certa vez, tratava um jovem com complexo de Édipoque pretendia casar com uma mulher que lhe lembrava profundamente a própria mãe. O psiquiatra sugeriu que o paciente consultasse o I Ching – e o texto do hexagrama resultante era o seguinte: “A jovem é poderosa; não se deve casar com uma jovem assim”. Pura coincidência? Talvez sim. Mas a terapia funcionou.

29 janeiro, 2007

Acupuntura tem resultados comprovados para diminuir a dor na fibromialgia

Posted in acupuntura, fibromialgia às 1:36 pm por Marcelo Guerra

acupuntura1.jpg

Um estudo americano, divulgado em junho de 2006, sugere que a acupuntura reduz os sintomas da fibromialgia, uma desordem caracterizada por dor crônica, espalhada pelos músculos e ossos e extrema fadiga.

Pesquisadores da Mayo Clinic de Rochester, Minnesotta, estudaram 50 pacientes portadores de fibromialgia inscritos em uma pesquisa randômica e controlada para determinar se a acupuntura melhorou seus sintomas.

Sintomas de pacientes que receberam acupuntura melhoraram significantemente, se comparados com o grupo de controle, de acordo com o estudo publicado na edição desse mês da “Mayo Clinic Proceedings”.

“Os resultados do estudo me convencem que é algo mais que um efeito placebo para a acupuntura,” disse o autor principal, Dr. David Martin, anestesiologista da Mayo Clinic .

Nâo existe cura conhecida para a fibromialgia, que pode envolver também enrijecimento das articulações e distúrbios de sono. Os tratamentos disponíveis, no momento, são apenas participamente eficientes.

Fonte: United Press International – Rochester, Minnesotta, 14 de Junho.

Acupuntura tem resultados comprovados para diminuir a dor na fibromialgia

Posted in acupuntura, fibromialgia às 1:36 pm por Marcelo Guerra

acupuntura1.jpg

Um estudo americano, divulgado em junho de 2006, sugere que a acupuntura reduz os sintomas da fibromialgia, uma desordem caracterizada por dor crônica, espalhada pelos músculos e ossos e extrema fadiga.

Pesquisadores da Mayo Clinic de Rochester, Minnesotta, estudaram 50 pacientes portadores de fibromialgia inscritos em uma pesquisa randômica e controlada para determinar se a acupuntura melhorou seus sintomas.

Sintomas de pacientes que receberam acupuntura melhoraram significantemente, se comparados com o grupo de controle, de acordo com o estudo publicado na edição desse mês da “Mayo Clinic Proceedings”.

“Os resultados do estudo me convencem que é algo mais que um efeito placebo para a acupuntura,” disse o autor principal, Dr. David Martin, anestesiologista da Mayo Clinic .

Nâo existe cura conhecida para a fibromialgia, que pode envolver também enrijecimento das articulações e distúrbios de sono. Os tratamentos disponíveis, no momento, são apenas participamente eficientes.

Fonte: United Press International – Rochester, Minnesotta, 14 de Junho.

27 janeiro, 2007

Idosos adeptos de tratamentos alternativos

Posted in acupuntura, dor, homeopatia, idosos, medicina alternativa às 1:30 pm por Marcelo Guerra

Luciana Ackermann - O Globo Online
Engana-se quem pensa que as pessoas com idade avançada
são resistentes aos tratamentos alternativos. Muitas
vezes os idosos são os primeiros a testar as novas técnicas.
A aposentada Maria de Lourdes Spinola Bento de Faria,
de 83 anos, é uma delas. Desde 1992, ela passa,
religiosamente, por sessões de acupuntura.
O reconhecimento do uso das agulhas como
especialidade médica pelo Conselho Federal de
Medicina aconteceu só depois de três anos. Até hoje,
a acupuntura ainda não é ensinada na maioria das
escolas médicas do País. Já a homeopatia,
certificada em 92, e também não consta em boa
parte das universidades.

Foi com diagnóstico indicando a necessidade de operação de
hérnia de disco, que Maria de Lourdes decidiu arriscar e
aceitou a sugestão de uma de suas filhas para tentar a
acupuntura. Ela relembra que as dores eram muito intensas
e não passavam mesmo com o uso de analgésicos e
antiinflamatórios convencionais. "A dor era tanta
que eu não conseguia andar. Cheguei à clínica de acupuntura
carregada no colo. Incrível, mas depois da sessão saí
andando. Não com passos muito firmes, mas já com as
minhas pernas" - afirma Maria. Naquele período, as
aplicações eram diárias, com o tempo  tornaram-se
mais espaçadas. A cirurgia acabou sendo adiada por
seis anos, porém foi inevitável. Mesmo tendo de
ser operada. “Não tenho dúvidas de que a acupuntura me
ajudou muito. Eu nunca mais tomei analgésicos e
antiinflamatórios. Não tenho dúvidas de que para mim a
acupuntura ajuda muito. Como sou muito ansiosa, sinto
que fico mais centrada e calma” - diz ela, que todas
as quintas-feiras recebe as agulhadas. Ela ainda
garante que mal sente as picadinhas. Depois de 14
anos sendo atendida pelo fisioterapeuta e
especialista em acupuntura, Fernando Fernandes,
da Daya Terapias Integradas, ela diz que já o
considera da família e costuma dizer que é
seu neto mais velho.
Fernandes destaca que os idosos foram os primeiros a
procurar a acupuntura porque ela é muito eficiente
no caso das dores crônicas, que são comuns à terceira
idade. Ao aplicar as agulhas, são liberadas
substâncias como a serotonina e a endorfina capazes
de aliviar a dor e gerar a sensação de prazer e bem-estar.
Segundo Fernandes, muitos idosos procuram-no
porque estão insatisfeitos com os resultados
de tratamentos alopáticos. Em geral, a acupuntura é vista
como o último recurso. Ele também informa que nos idosos
o efeito da aplicação das agulhas tende a demorar
mais que nos jovens. Mesmo assim, a partir do
tratamento, é comum ocorrer a redução no número de
medicamentos ingeridos pelos idosos.

26 janeiro, 2007

Sobre a morte e o morrer: Elisabeth Kübler-Ross

Posted in medicina, morrer, morte, tanatologia às 5:22 pm por Marcelo Guerra

elisabeth.gif

Elisabeth Kübler-Ross, médica, é a mulher que mudou a maneira como o mundo pensava sobre a morte e o morrer. Através de seus vários livros e muitos anos de trabalho com crianças, pacientes de AIDS e idosos portadores de doenças fatais, Kübler-Ross trouxe consolo e compreensão para milhões de pessoas que tentavam lidar com a própria morte ou com a de entes queridos. Hoje, enfrentando a perspectiva da morte aos setenta e um anos, essa médica internacionalmente famosa conta a história de sua vida e aprofunda sua verdade final: a morte não existe.

Escrita com franqueza e entusiasmo, a autobiografia de Kübler-Ross reconstitui o desenvolvimento intelectual e espiritual de um destino. As convicções que enfrentaram dogmas, preconceitos e críticas, já estavam presentes na menina suíça, quando a jovem Elisabeth se viu pela primeira vez diante das injustiças do mundo e jurou acabar com elas.

Do seu trabalho na Polônia devastada pela guerra à sua forma pioneira de aconselhamento terapêutico aos doentes terminais, a seus já lendários seminários sobre a morte e o processo de morrer na Universidade de Chicago, às suas surpreendentes conversas com os que reviveram depois da morte, cada experiência proporcionou a Kübler-Ross uma peça do quebra-cabeça. Em uma cultura determinada a varrer a morte para debaixo do tapete e escondê-la ali, Kübler-Ross desafiou o senso comum ao trazer e expor essa etapa final da existência para que não tivéssemos mais medo dela.

Sua história é uma aventura do coração, vigorosa, controvertida, inspiradora, um legado à altura de uma vida extraordinária.

“As pessoas sempre me perguntam como é a morte. Digo-lhes que é sublime. É a coisa mais fácil que terão que fazer. A vida é dura. A vida é luta. Viver é como ir à escola. Dão a você muitas lições a estudar. Quanto mais você aprende, mais difíceis ficam as lições. Quando aprendemos as lições, a dor se vai.”

“Sei muito pouco sobre a filosofia da reencarnação. Não foi o tipo de educação que recebi. Mas sei agora que existem mistérios da mente, da psiquê, do espírito, que não podem ser examinados em microscópios ou testados com reações químicas. Com o tempo, saberei mais. Com o tempo, vou compreender.”

(Agradeço à Rosângela, psicóloga de Juiz de Fora que apresentou um excelente trabalho sobre a biografia dela no curso de formação de terapia biográfica.)

Sobre Homeopatia, Automedicação, Ataques dos Alopatas…

Posted in homeopatia, medicina, remédios, vitaminas às 11:46 am por Marcelo Guerra

Paralogismos do jornalismo cientifíco

Por Paulo Rosenbaum em 23/1/2007

A vida só apreende a vida pela mediação das unidades de sentido que se elevam acima do fluxo histórico. Wilhelm Dilthey (1833-1912)

Na edição de terça-feira (16/1) New York Times, Dan Hurley publicou um artigo cujo titulo despertou considerável curiosidade dos leitores pelo mundo – “Diet Supplements and Safety: Some Disquieting Data” cuja tradução aproximada poderia ser “Suplementos dietéticos e segurança: alguns dados inquietantes”. O articulista apresenta dados perturbadores sobre o uso e repercussões de produtos livremente comercializados como suplementos vitamínicos, óleos essenciais e ervas.

De acordo com os relatórios da Associação Americana do Centro de Controle de Envenenamentos citados Hurley, consumir suplementos vitamínicos e óleos essenciais pode representar um risco epidemiológico significativo para a população. Em 1983 relatou-se 14.006 casos, em 2005 foram 125.595 incidentes relatados a partir de consumo de suplementos vitamínicos e produtos congêneres. Números modestos se comparados ao que o National Institute of Health – em seu relatório de 2006, Congressional Justification – revela no item “Por que as pessoas diferem no modo como respondem às drogas” em relação aos fármacos convencionais, quando lamenta que “infelizmente a maior causa de mortes nos Estados Unidos são por reações adversas as drogas”[ver aqui].

De 1989 a 2004, o Food and Drug Administration, continua Hurley, recebeu relatórios com o registro de 260 mortes associadas a ervas medicinais e outros produtos não vitamínicos. São informações relevantes, pois a maior parte destes produtos são livremente comercializados. Em farmácias não ficam sequer atrás de balcões com acesso restrito. Qualquer cidadão, cá ou lá, pode abarrotar sua cesta ou carrinho de supermercado com variedade de produtos do gênero – de vitaminas a compostos naturais industrializados – cuja indicação é, em geral, tanto imprecisa como perigosa.

Funciona ou não?

Apesar do déficit analítico da matéria, aí reside o mérito deste alerta que desmonta a crença do senso comum de que o “natural” – com toda a crítica da mitologia que o termo comporta – é, no máximo, inócuo. Um aspecto inusitado é que Hurley incluiu nesse pacote de substâncias nocivas os medicamentos e “produtos” homeopáticos. Sem muitos detalhes, revela que em 2005 foram 7.049 relatos de reações, incluindo 564 hospitalizações e dois óbitos.

Apenas para situar o problema, apresento breve contexto. Entre boa parte dos pesquisadores que investigam substâncias ultradiluídas acredita-se que elas realmente podem ser nocivas à saúde se ingeridas sem os devidos cuidados, orientação e assistência médica. Não há segredo algum. Estabelecido está que todo fármaco pode induzir reações adversas, das banais às mais potentes. Dependerão diretamente da sensibilidade e das idiossincrasias do sujeito. Por isto mesmo, muitas vezes, a única e abençoada prevenção é a excessiva cautela na utilização de qualquer produto farmacêutico (natural ou não) ou suplemento alimentar.

De todo modo, o que parte da mídia científica mundial, incluindo revistas médicas importantes, tem relatado nas mais recentes polêmicas (e aqui reside o paralologismo) é que as substâncias infinitesimais são suspeitas – não de toxicidade – mas exatamente do oposto. São suspeitas de não apresentarem quaisquer efeitos biológicos detectáveis. Nem in vitro (em laboratórios) nem in vivo (em seres humanos).

É claro que são conclusões parciais, portanto contestáveis uma vez que um olhar hermenêutico determinaria resultados distintos. Experimentações em seres humanos, estudos observacionais e qualidade de vida em saúde, por exemplo, contraditam fortemente estas conclusões de inação.

Eis um aspecto desafiador. Se o Food and Drug Administration pode constatar empiricamente que, sim, há efeitos adversos em fármacos homeopáticos e eles são significativos, como é que, com a obstinação estóica de um mantra, costuma-se acusá-los (eles, os fármacos) de serem substâncias farmacologicamente inertes?

Na verdade, este tem sido o instransponível obstáculo epistemológico, uma espécie de Rubicão da homeopatia desde sua fundação, já que não há suporte científico consensual para explicar o mecanismo de ação dos medicamentos. Isto significa o seguinte: o descarte se dá uma hora pelo mais, outra hora pelo menos. A célebre pergunta “funciona ou não funciona?”, doravante passa a carrear insuportável ambigüidade: “Funciona. Apenas para intoxicar”. Mas, um momento! Substâncias infinitesimais não são nem mesmo “substâncias” strictu senso. Se não há sequer vestígio de princípio ativo, nem alguma outra evidência validada, como é que podem determinar tais ações?

Vida prática

Deparamos – e o artigo do New York Times é apenas uma pálida amostra – com um diagnóstico superficial de reprodução mecânica e acrítica de dados que reverberam, impactando a sociedade e a comunidade de usuários com desinformação. Só para oferecer uma cifra, calcula-se em cerca de 180 milhões de europeus os consumidores de medicamentos homeopáticos. Além do critério duplo, o surpreendente aqui é o tamanho do paralogismo.

Ficaríamos assim: um dos jornais mais influentes do mundo anuncia que medicamentos homeopáticos envenenam. Mas até bem pouco não havia nada ali nos frascos, apenas água. Efeitos seriam apenas miragens dos crentes, efeitos-placebo. Pois assim posto, ou está em curso uma notável epidemia de efeitos-placebo nos centros de monitoramento de envenenamentos ou um fenômeno que, verificado, deveria encabeçar a lista de investigações gerando, inclusive, fomento público para pesquisas.

O corolário seguiria com as seguintes inquietações: serão falsos os remédios? Há venenos ativos nas doses infinitesimais? Se há, tudo deve ser reavaliado. As restrições sobre a veracidade da ação deveriam ser substituídas por desejo de conhecer melhor esses acidentes clínicos, surgidos na vida prática da sociedade mais industrializada do planeta. Seria cabível pensar que tais fatos ocorrem porque – sem teorias conspiratórias, mas apenas suposições comerciais – todas as indústrias farmacêuticas estimulam o consumo e a automedicação?

Teorias e verificações

Mas há outra opção mais arrojada: avaliar sociologicamente o que está acontecendo com o jornalismo científico. Sabemos que a lógica em si mesma é insuficiente para dar conta de exigências e possibilidades de validade que, conforme nos mostrou Thomas Kuhn, ampara-se em valores e necessidades de uma dada cultura, em um determinado momento histórico.

Ou seja, impõe-se reconhecer a não universalidade e a não univocacidade dos padrões normativos de uma determinada ciência. Em seu clássico a Estrutura das Revoluções Cientificas, Kuhn nos avisou que há um único aspecto inadiável na análise do desenvolvimento das teorias e verificações cientificas: a psicosociologia da ciência e a compreensão das motivações, sentidos e significados de seus discursos. Ele sabia exatamente a duração e o alcance desta formulação.

Neste caso, a pauta é urgente.

Sobre Homeopatia, Automedicação, Ataques dos Alopatas…

Posted in homeopatia, medicina, remédios, vitaminas às 11:46 am por Marcelo Guerra

Paralogismos do jornalismo cientifíco

Por Paulo Rosenbaum em 23/1/2007

A vida só apreende a vida pela mediação das unidades de sentido que se elevam acima do fluxo histórico. Wilhelm Dilthey (1833-1912)

Na edição de terça-feira (16/1) New York Times, Dan Hurley publicou um artigo cujo titulo despertou considerável curiosidade dos leitores pelo mundo – “Diet Supplements and Safety: Some Disquieting Data” cuja tradução aproximada poderia ser “Suplementos dietéticos e segurança: alguns dados inquietantes”. O articulista apresenta dados perturbadores sobre o uso e repercussões de produtos livremente comercializados como suplementos vitamínicos, óleos essenciais e ervas.

De acordo com os relatórios da Associação Americana do Centro de Controle de Envenenamentos citados Hurley, consumir suplementos vitamínicos e óleos essenciais pode representar um risco epidemiológico significativo para a população. Em 1983 relatou-se 14.006 casos, em 2005 foram 125.595 incidentes relatados a partir de consumo de suplementos vitamínicos e produtos congêneres. Números modestos se comparados ao que o National Institute of Health – em seu relatório de 2006, Congressional Justification – revela no item “Por que as pessoas diferem no modo como respondem às drogas” em relação aos fármacos convencionais, quando lamenta que “infelizmente a maior causa de mortes nos Estados Unidos são por reações adversas as drogas”[ver aqui].

De 1989 a 2004, o Food and Drug Administration, continua Hurley, recebeu relatórios com o registro de 260 mortes associadas a ervas medicinais e outros produtos não vitamínicos. São informações relevantes, pois a maior parte destes produtos são livremente comercializados. Em farmácias não ficam sequer atrás de balcões com acesso restrito. Qualquer cidadão, cá ou lá, pode abarrotar sua cesta ou carrinho de supermercado com variedade de produtos do gênero – de vitaminas a compostos naturais industrializados – cuja indicação é, em geral, tanto imprecisa como perigosa.

Funciona ou não?

Apesar do déficit analítico da matéria, aí reside o mérito deste alerta que desmonta a crença do senso comum de que o “natural” – com toda a crítica da mitologia que o termo comporta – é, no máximo, inócuo. Um aspecto inusitado é que Hurley incluiu nesse pacote de substâncias nocivas os medicamentos e “produtos” homeopáticos. Sem muitos detalhes, revela que em 2005 foram 7.049 relatos de reações, incluindo 564 hospitalizações e dois óbitos.

Apenas para situar o problema, apresento breve contexto. Entre boa parte dos pesquisadores que investigam substâncias ultradiluídas acredita-se que elas realmente podem ser nocivas à saúde se ingeridas sem os devidos cuidados, orientação e assistência médica. Não há segredo algum. Estabelecido está que todo fármaco pode induzir reações adversas, das banais às mais potentes. Dependerão diretamente da sensibilidade e das idiossincrasias do sujeito. Por isto mesmo, muitas vezes, a única e abençoada prevenção é a excessiva cautela na utilização de qualquer produto farmacêutico (natural ou não) ou suplemento alimentar.

De todo modo, o que parte da mídia científica mundial, incluindo revistas médicas importantes, tem relatado nas mais recentes polêmicas (e aqui reside o paralologismo) é que as substâncias infinitesimais são suspeitas – não de toxicidade – mas exatamente do oposto. São suspeitas de não apresentarem quaisquer efeitos biológicos detectáveis. Nem in vitro (em laboratórios) nem in vivo (em seres humanos).

É claro que são conclusões parciais, portanto contestáveis uma vez que um olhar hermenêutico determinaria resultados distintos. Experimentações em seres humanos, estudos observacionais e qualidade de vida em saúde, por exemplo, contraditam fortemente estas conclusões de inação.

Eis um aspecto desafiador. Se o Food and Drug Administration pode constatar empiricamente que, sim, há efeitos adversos em fármacos homeopáticos e eles são significativos, como é que, com a obstinação estóica de um mantra, costuma-se acusá-los (eles, os fármacos) de serem substâncias farmacologicamente inertes?

Na verdade, este tem sido o instransponível obstáculo epistemológico, uma espécie de Rubicão da homeopatia desde sua fundação, já que não há suporte científico consensual para explicar o mecanismo de ação dos medicamentos. Isto significa o seguinte: o descarte se dá uma hora pelo mais, outra hora pelo menos. A célebre pergunta “funciona ou não funciona?”, doravante passa a carrear insuportável ambigüidade: “Funciona. Apenas para intoxicar”. Mas, um momento! Substâncias infinitesimais não são nem mesmo “substâncias” strictu senso. Se não há sequer vestígio de princípio ativo, nem alguma outra evidência validada, como é que podem determinar tais ações?

Vida prática

Deparamos – e o artigo do New York Times é apenas uma pálida amostra – com um diagnóstico superficial de reprodução mecânica e acrítica de dados que reverberam, impactando a sociedade e a comunidade de usuários com desinformação. Só para oferecer uma cifra, calcula-se em cerca de 180 milhões de europeus os consumidores de medicamentos homeopáticos. Além do critério duplo, o surpreendente aqui é o tamanho do paralogismo.

Ficaríamos assim: um dos jornais mais influentes do mundo anuncia que medicamentos homeopáticos envenenam. Mas até bem pouco não havia nada ali nos frascos, apenas água. Efeitos seriam apenas miragens dos crentes, efeitos-placebo. Pois assim posto, ou está em curso uma notável epidemia de efeitos-placebo nos centros de monitoramento de envenenamentos ou um fenômeno que, verificado, deveria encabeçar a lista de investigações gerando, inclusive, fomento público para pesquisas.

O corolário seguiria com as seguintes inquietações: serão falsos os remédios? Há venenos ativos nas doses infinitesimais? Se há, tudo deve ser reavaliado. As restrições sobre a veracidade da ação deveriam ser substituídas por desejo de conhecer melhor esses acidentes clínicos, surgidos na vida prática da sociedade mais industrializada do planeta. Seria cabível pensar que tais fatos ocorrem porque – sem teorias conspiratórias, mas apenas suposições comerciais – todas as indústrias farmacêuticas estimulam o consumo e a automedicação?

Teorias e verificações

Mas há outra opção mais arrojada: avaliar sociologicamente o que está acontecendo com o jornalismo científico. Sabemos que a lógica em si mesma é insuficiente para dar conta de exigências e possibilidades de validade que, conforme nos mostrou Thomas Kuhn, ampara-se em valores e necessidades de uma dada cultura, em um determinado momento histórico.

Ou seja, impõe-se reconhecer a não universalidade e a não univocacidade dos padrões normativos de uma determinada ciência. Em seu clássico a Estrutura das Revoluções Cientificas, Kuhn nos avisou que há um único aspecto inadiável na análise do desenvolvimento das teorias e verificações cientificas: a psicosociologia da ciência e a compreensão das motivações, sentidos e significados de seus discursos. Ele sabia exatamente a duração e o alcance desta formulação.

Neste caso, a pauta é urgente.

Sobre Homeopatia, Automedicação, Ataques dos Alopatas…

Posted in homeopatia, medicina, remédios, vitaminas às 11:46 am por Marcelo Guerra

Paralogismos do jornalismo cientifíco

Por Paulo Rosenbaum em 23/1/2007

A vida só apreende a vida pela mediação das unidades de sentido que se elevam acima do fluxo histórico. Wilhelm Dilthey (1833-1912)

Na edição de terça-feira (16/1) New York Times, Dan Hurley publicou um artigo cujo titulo despertou considerável curiosidade dos leitores pelo mundo – “Diet Supplements and Safety: Some Disquieting Data” cuja tradução aproximada poderia ser “Suplementos dietéticos e segurança: alguns dados inquietantes”. O articulista apresenta dados perturbadores sobre o uso e repercussões de produtos livremente comercializados como suplementos vitamínicos, óleos essenciais e ervas.

De acordo com os relatórios da Associação Americana do Centro de Controle de Envenenamentos citados Hurley, consumir suplementos vitamínicos e óleos essenciais pode representar um risco epidemiológico significativo para a população. Em 1983 relatou-se 14.006 casos, em 2005 foram 125.595 incidentes relatados a partir de consumo de suplementos vitamínicos e produtos congêneres. Números modestos se comparados ao que o National Institute of Health – em seu relatório de 2006, Congressional Justification – revela no item “Por que as pessoas diferem no modo como respondem às drogas” em relação aos fármacos convencionais, quando lamenta que “infelizmente a maior causa de mortes nos Estados Unidos são por reações adversas as drogas”[ver aqui].

De 1989 a 2004, o Food and Drug Administration, continua Hurley, recebeu relatórios com o registro de 260 mortes associadas a ervas medicinais e outros produtos não vitamínicos. São informações relevantes, pois a maior parte destes produtos são livremente comercializados. Em farmácias não ficam sequer atrás de balcões com acesso restrito. Qualquer cidadão, cá ou lá, pode abarrotar sua cesta ou carrinho de supermercado com variedade de produtos do gênero – de vitaminas a compostos naturais industrializados – cuja indicação é, em geral, tanto imprecisa como perigosa.

Funciona ou não?

Apesar do déficit analítico da matéria, aí reside o mérito deste alerta que desmonta a crença do senso comum de que o “natural” – com toda a crítica da mitologia que o termo comporta – é, no máximo, inócuo. Um aspecto inusitado é que Hurley incluiu nesse pacote de substâncias nocivas os medicamentos e “produtos” homeopáticos. Sem muitos detalhes, revela que em 2005 foram 7.049 relatos de reações, incluindo 564 hospitalizações e dois óbitos.

Apenas para situar o problema, apresento breve contexto. Entre boa parte dos pesquisadores que investigam substâncias ultradiluídas acredita-se que elas realmente podem ser nocivas à saúde se ingeridas sem os devidos cuidados, orientação e assistência médica. Não há segredo algum. Estabelecido está que todo fármaco pode induzir reações adversas, das banais às mais potentes. Dependerão diretamente da sensibilidade e das idiossincrasias do sujeito. Por isto mesmo, muitas vezes, a única e abençoada prevenção é a excessiva cautela na utilização de qualquer produto farmacêutico (natural ou não) ou suplemento alimentar.

De todo modo, o que parte da mídia científica mundial, incluindo revistas médicas importantes, tem relatado nas mais recentes polêmicas (e aqui reside o paralologismo) é que as substâncias infinitesimais são suspeitas – não de toxicidade – mas exatamente do oposto. São suspeitas de não apresentarem quaisquer efeitos biológicos detectáveis. Nem in vitro (em laboratórios) nem in vivo (em seres humanos).

É claro que são conclusões parciais, portanto contestáveis uma vez que um olhar hermenêutico determinaria resultados distintos. Experimentações em seres humanos, estudos observacionais e qualidade de vida em saúde, por exemplo, contraditam fortemente estas conclusões de inação.

Eis um aspecto desafiador. Se o Food and Drug Administration pode constatar empiricamente que, sim, há efeitos adversos em fármacos homeopáticos e eles são significativos, como é que, com a obstinação estóica de um mantra, costuma-se acusá-los (eles, os fármacos) de serem substâncias farmacologicamente inertes?

Na verdade, este tem sido o instransponível obstáculo epistemológico, uma espécie de Rubicão da homeopatia desde sua fundação, já que não há suporte científico consensual para explicar o mecanismo de ação dos medicamentos. Isto significa o seguinte: o descarte se dá uma hora pelo mais, outra hora pelo menos. A célebre pergunta “funciona ou não funciona?”, doravante passa a carrear insuportável ambigüidade: “Funciona. Apenas para intoxicar”. Mas, um momento! Substâncias infinitesimais não são nem mesmo “substâncias” strictu senso. Se não há sequer vestígio de princípio ativo, nem alguma outra evidência validada, como é que podem determinar tais ações?

Vida prática

Deparamos – e o artigo do New York Times é apenas uma pálida amostra – com um diagnóstico superficial de reprodução mecânica e acrítica de dados que reverberam, impactando a sociedade e a comunidade de usuários com desinformação. Só para oferecer uma cifra, calcula-se em cerca de 180 milhões de europeus os consumidores de medicamentos homeopáticos. Além do critério duplo, o surpreendente aqui é o tamanho do paralogismo.

Ficaríamos assim: um dos jornais mais influentes do mundo anuncia que medicamentos homeopáticos envenenam. Mas até bem pouco não havia nada ali nos frascos, apenas água. Efeitos seriam apenas miragens dos crentes, efeitos-placebo. Pois assim posto, ou está em curso uma notável epidemia de efeitos-placebo nos centros de monitoramento de envenenamentos ou um fenômeno que, verificado, deveria encabeçar a lista de investigações gerando, inclusive, fomento público para pesquisas.

O corolário seguiria com as seguintes inquietações: serão falsos os remédios? Há venenos ativos nas doses infinitesimais? Se há, tudo deve ser reavaliado. As restrições sobre a veracidade da ação deveriam ser substituídas por desejo de conhecer melhor esses acidentes clínicos, surgidos na vida prática da sociedade mais industrializada do planeta. Seria cabível pensar que tais fatos ocorrem porque – sem teorias conspiratórias, mas apenas suposições comerciais – todas as indústrias farmacêuticas estimulam o consumo e a automedicação?

Teorias e verificações

Mas há outra opção mais arrojada: avaliar sociologicamente o que está acontecendo com o jornalismo científico. Sabemos que a lógica em si mesma é insuficiente para dar conta de exigências e possibilidades de validade que, conforme nos mostrou Thomas Kuhn, ampara-se em valores e necessidades de uma dada cultura, em um determinado momento histórico.

Ou seja, impõe-se reconhecer a não universalidade e a não univocacidade dos padrões normativos de uma determinada ciência. Em seu clássico a Estrutura das Revoluções Cientificas, Kuhn nos avisou que há um único aspecto inadiável na análise do desenvolvimento das teorias e verificações cientificas: a psicosociologia da ciência e a compreensão das motivações, sentidos e significados de seus discursos. Ele sabia exatamente a duração e o alcance desta formulação.

Neste caso, a pauta é urgente.

Próxima página