10 maio, 2007

Jornada de Inverno

Posted in antroposofia, arte, biográfico, depressão, psicoterapia, stress, terapia biográfica, terapia de grupo, vivência às 8:34 am por Marcelo Guerra

picassopeopledancing.jpg

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

 O inverno é época de recolhimento, em que alguns animais hibernam, em que toda a natureza parece mover-se mais lentamente. É tempo de preparação para um novo ciclo de crescimento. Tempo de olhar para dentro de si. Esta Jornada tem este objetivo: rever situações de nossas vidas, entender o sentido delas, captar o fio do destino que as conecta e preparam para uma nova Primavera em nossas vidas.

Nesta Jornada serão desenvolvidas técnicas da Antroposofia, mais precisamente da Terapia Biográfica e atividades artísticas que permitem uma melhor compreensão de nossos movimentos internos, com isso possibilitando mudanças em nossas vidas, deixando para trás padrões repetitivos de comportamento.

O facilitador será Marcelo Guerra. O evento acontecerá em Monnerat, uma pequena cidade no interior do Estado do Rio de janeiro, próxima a Nova Friburgo, numa casa acolhedora. A data será de 7 a 10 de junho (quinta-feira às 19h até domingo às 17h). Os participantes dormirão na própria casa onde serão desenvolvidas as atividades, e as refeições também serão todas realizadas no local. O investimento será de R$540,00, que podem ser divididos em 3 pagamentos de R$180,00, sendo que o primeiro pagamento deverá ser realizado até o dia 31 de maio.

Inscrições e informações pelo e-mail marceloguerra@gmail.com ou pelo telefone (22)9254-4866.

P.S.

COMO CHEGAR A MONNERAT:

 

ÔNIBUS 1001 DIRETO, SAINDO DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI (saídas do Rio às 13:10h, 15:10h, 18:20h, 20:30h; e os mesmos ônibus param na Rodoviária de Niterói e saem 30 minutos depois de cada horário, ou seja, 13:40h, 15:40h, 18:50h, 21h). É possível também tomar um ônibus até Nova Friburgo e outro a partir de lá. O tempo de viagem é de cerca de 3h e 40 minutos de ônibus, geralmente menos.Para quem vai de carro, é só pegar a estrada RJ-116 (Niterói-Friburgo) e seguir direto. Após passar por Nova Friburgo, continuar na mesma estrada por aproximadamente 30 minutos. Monnerat fica no km 117 desta estrada.

Comentários de quem já participou:

  • Decidi participar da terapia biográfica por um acaso, pois já fazia terapia individual. Durante os dias que passei, consegui perceber os ciclos que se repetiam em minha vida, e a me aceitar com falhas, e respeitar as outras pessoas. Tudo isso de uma forma muito descontraída e com muitos mimos ( acupuntura, massagens), e ao mesmo tempo vivendo um turbilhão de emoções. Saí de lá com novas expectativas e forças, acreditando em mim e na possibilidade de mudar o presente e quebrar o ciclo. Acredito que ainda me surpreenderei muito, pois a cada dia que passa vêm novas conclusões. Sem contar a amizade que fizemos e o carinho que cada um tratou o outro, e que ainda permanece. Hoje em dia decidi parar com a terapia individual, pois descobri que sozinha sou capaz de mudar o rumo de minha vida. Acho que em palavras seria impossível descrever o quanto esta vivência me fez bem, e posso dizer que isto foi possível não só pela entrega de nós pacientes, como também do terapeuta. O Marcelo abriu sua “caixinha de brinquedos” e nos ensinou de uma maneira leve e espontânea, assim como nos contos de fadas (que ele leu bastante para nós), a reinventar o presente, e ainda, no final nos presenteou com um “bambuzinho mágico” para ajudar a nos conduzirmos por novos caminhos. Gostaria que, assim como eu, outras pessoas se redescubram e através desta terapia encontrem uma nova maneira de viver e se surpreender com a beleza da vida. Ah, não poderia esquecer de comentar que o lugar é lindo e a natureza é esplêndida, e também de dizer que o único problema foram os quilos que a Glorinha (cozinheira) nos fez ganhar…rsrsrs.
    (Graziela Damante, participante da Vivência de maio de 2006)

  • Fui para a terapia muito tranqüila e sem grandes expectativas, não imaginei que três dias trabalhando com argila, entre outras atividades, fosse mexer comigo. Mas mexeu.
    Ainda não dá para avaliar tudo, mas de imediato – eu que julgava me conhecer tão bem – tive várias surpresas e cheguei a conclusões, com a ajuda do grupo, a respeito da minha vida, do meu jeito de ser, como sempre encarei meus problemas e minha relação com as pessoas que fizeram e fazem parte da minha vida.
    Marcelo soube conduzir de maneira agradável, com calma e clareza. O lugar em que acontece a terapia colabora muito porque ficamos em contato com a natureza e o lugar transmite uma paz, sem contar que dá para fazer caminhadas para espairecer. Isso para não falar da comida caseira (da Glorinha) que apelidamos de “sistema de confinamento”, que nos faz lembrar a comida da mamãe.
    A vontade que fica é de repetir daqui a um tempo e torcer para que várias pessoas façam e se surpreendam assim como eu.
    (Vanessa Fredel, participante da Vivência de maio de 2006)

9 maio, 2007

Oneomania: Gastadores Compulsivos – uma doença cada vez mais freqüente

Posted in biográfico, compulsão, consumismo, terapia biográfica, terapia de grupo às 1:28 pm por Marcelo Guerra

Quando o dinheiro é sinônimo de felicidade e a falta dele se traduz em desamparo e falta de amor, a vida fica realmente trágica.

Muitos são os motivos que levam uma pessoa a comprar: a necessidade, a diversão, os modismos, a importância, o status e o apelo mercadológico do comércio. Mas há quem consuma pelo simples prazer de comprar, de adquirir alguma coisa independente da sua utilidade ou significado.

O ato de comprar indiscriminadamente é uma doença chamada oneomania, que atinge as pessoas caracterizadas como compradoras compulsivas. A oneomania é um distúrbio bastante controvertido do ponto de vista psiquiátrico e psicológico.

Alguns especialistas consideram a oneomania uma doença obsessiva-compulsiva. Nesse caso, a pessoa teria outros comportamentos compulsivos característicos, além de comprar – como contar objetos sem conseguir parar, por exemplo. No caso desses sintomas estarem ausentes, a oneomania é considerada um distúrbio no controle dos impulsos.

Oneomania atinge principalmente as mulheres

Segundo o neuropsicólogo Daniel Fuentes, coordenador de Ensino e Pesquisa do Ambulatório do Jogo Patológico e Outros Transtornos do Impulso (AMJO), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, a proporção é de quatro mulheres para cada homem com a doença.

Os especialistas ainda não sabem precisamente o porquê da oneomania ser mais comum em mulheres, mas acreditam que o motivo está diretamente relacionado a condições culturais. Os fatores que levam a doença a afetar principalmente as mulheres são objeto de estudo da equipe do AMJO.

Para Fuentes, a doença pode estar associada a transtornos do humor e de ansiedade, dependência de substâncias psicoativas (álcool, tóxicos ou medicamentos), transtornos alimentares (bulimia, anorexia) e de controles de impulsos.

A oneomania também emerge para aliviar sentimentos de grande frustração, vazio e depressão. É um desejo de possuir, de ter poder, que fica reprimido. Ao não conseguir dar vazão ao seu desejo, a pessoa sofre uma enorme pressão interna que a leva à necessidade de possuir coisas novas como única forma de prazer, explica a psicóloga Denise Gimenez Ramos, coordenadora do Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica da PUC-SP.

Os oneomaníacos têm o consumo como vício, assim como um alcoólatra que necessita da bebida. Enquanto está comprando, a pessoa sente alívio e prazer dos sintomas, que passado um tempo voltam rapidamente. O efeito do ato de comprar é semelhante ao de tomar uma droga.

Existe um grupo de 12 passos, nos moldes do AA, que ajuda muito as pessoas com esta compulsão: os Devedores Anônimos. O trecho abaixo foi retirado do site deles:
Nós descobrimos que é uma doença que nunca melhora, somente piora, com o passar do tempo. É uma doença progressiva em sua natureza, que não pode jamais ser curada, mas pode ser detida.

Antes de chegar ao Grupo de D.A., muitos devedores compulsivos se achavam pessoas irresponsáveis, moralmente fracas, ou as vezes, simplesmente “Más”. O conceito do D.A. é o de que o devedor compulsivo é uma pessoa realmente doente que pode se recuperar caso ele ou ela siga, com toda sinceridade, um programa simples, que já provou ser um sucesso para outros homens e mulheres com um problema similar.

Como devedores compulsivos, nós nos enquadramos em padrões de gastos que não satisfazem nossas necessidades reais. Alguns de nós temos deixado de pagar cronicamente nossas contas e dividas, mesmo quando nós tínhamos o dinheiro para pagá-las. Ou nós temos feito pagamentos fielmente para 01 ou 02 credores e negligenciado os outros. Alguns de nós têm simplesmente ignorado nossas dívidas por algum tempo, na esperança de que, de alguma maneira, elas possam ser pagas milagrosamente. Alguns de nós têm sido gastadores compulsivos, comprando coisas de que não necessitamos, e nem queremos. Quando nós nos sentimos carentes, ou que, algo está faltando nós esbanjamos dinheiro em algo que não podemos pagar. Nós gastamos compulsivamente, entramos em dívidas, nos sentimos culpados, prometemos que nunca faremos isto de novo, e apenas repetimos o mesmo ciclo na próxima vez que o sentimento de “não sermos suficiente” aflore. tendo gasto além da conta, nós freqüentemente não tínhamos nada para mostrar no que gastamos, e ficamos nos perguntando para onde foi todo aquele dinheiro. Alguns gastadores compulsivos não estão realmente endividados, mas mesmo assim, são bem vindos ao D.A. O único requisito para ser membro do D.A., é o desejo de evitar fazer dívidas sem hipoteca(garantia).

Alguns de nós têm se tornado empobrecidos compulsivos, permitindo-nos ficar freqüentemente sem dinheiro, batalhando de uma crise financeira para outra. Há ainda alguns de nós que acham quase impossível gastar dinheiro consigo mesmos. A televisão estraga e fica estragada, aquele par de sapatos, pronto para ser aposentado, é obrigado a rodar mais um ano ainda, e até problemas de saúde e dentários não são cuidados.

Esta doença afetou nossa visão de nós mesmos e do mundo à nossa volta. Ela nos levou a acreditar que não éramos “suficientes” – em casa, no trabalho, em situações sociais, em relacionamentos amorosos. Ela também nos levou a crer que não há o suficiente no mundo lá fora para nós. esta doença criou uma sensação de pobreza em tudo o que fazíamos e víamos. Em reação a isso, nós nos recolhíamos para um mundo de fantasias, ficávamos preocupados com dinheiro, e evitávamos responsabilidades.

Quando nós participamos da nossa primeira reunião de D.A., nós estávamos perdidos, por muitas perdas: perda de salário, que havia sido engolido por dívidas e por gastos compulsivos; perda de fé; perda de respeito próprio e paz de consciência; perda de amizades; e algumas vezes de saúde, emprego e família. Muitos de nós buscamos ajuda de vários indivíduos ou organizações, mas sempre acabávamos nos sentido como se ninguém entendesse nosso problema. Nossa solidão fez com que nos recolhêssemos mais e mais em nós mesmos. Nós perdemos a vitalidade e o interesse na vida. Nós não podíamos trabalhar ou cuidar de nós mesmos ou de nossos entes queridos apropriadamente. Alguns de nós achamos que estávamos ficando loucos e outros chegaram a contemplar o suicídio. Esse senso de desespero, ou “chegar ao fundo do poço”, foi nosso primeiro passo em Devedores Anônimos. Nós vimos que nossas tentativas de esquematizar e manipular nossas vidas nunca funcionaram. Nós admitimos que éramos impotentes perante as dívidas. Nós estávamos prontos para pedir ajuda.

Uma outra forma de tratamento que pode trazer grande ajuda é a Terapia Biográfica, um método onde a vida é revista de uma forma panorâmica.

Essencial para o controle desta doença é a organização financeira. Saber quanto se ganha e quanto se gasta é a chave para o controle. Há um site muito bom que permite isto: o money tracking. Um programa excelente (e grátis) criado por um brasileiro, Cristiano Meira Magalhães chamado Planejamento Financeiro também é muito útil para este fim.

Para saber mais sobre o assunto, existem alguns lique eu recomendo:

As Leis do Dinheiro para Mulheres: Como Nossas Mães Nunca Mais, de ELIANA BUSSINGER  

Comprando Sua Felicidade, de SUSAN FORWARD  traz uma nova forma de ver sua relação com o dinheiro. Uma oportunidade para o leitor avaliar como lida com as próprias finanças. O livro fornece as ferramentas para qualquer um descobrir as bases de sua própria relação com o dinheiro.

Como Combater o Desperdício, da Coleção ENTENDA E APRENDA, o livro explica tudo o que o leitor precisa saber para utilizar melhor os alimentos e os recursos naturais, consumir de forma consciente, reaproveitar o lixo e os resíduos e economizar tempo e dinheiro.
O texto responde a perguntas como: quais os ralos do desperdício em casa, no escritório, no comércio e na indústria? O que as empresas têm feito para diminuir o desperdício de recursos? Onde acontece o desperdício de dinheiro público? Como fiscalizá-lo e combatê-lo? O que são produto ecoeficiente, obsolescência programada e oneomania? Qual a importância da reciclagem, uma atividade que já movimenta US$ 3 bilhões anualmente? O que leva um país a desperdiçar boa parte do PIB (Produto Interno Bruto) com desperdício?

Dinheiro, Saúde e Sagrado, de WALDEMAR MAGALDI FILHO: este livro pretende contribuir para o entendimento de que o dinheiro é, para o ser humano contemporâneo, uma fonte inesgotável de energia e de transformações, além de esperar que ele sirva de estímulo para que os leitores também se interessem pelas implicações do dinheiro, possibilitando a busca de um mundo mais amoroso e integral.

A Energia do Dinheiro, de GLORIA MARIA GARCIA PEREIRA. A proposta deste livro é mostrar o sentido e a prática do dinheiro, as leis naturais, energéticas e econômicas para que o leitor desfrute ao máximo as potencialidades deste novo mundo, cheio de oportunidades estimulantes.

4 maio, 2007

Para Entender a Homeopatia

Posted in homeopatia às 3:40 pm por Marcelo Guerra

Muitas pessoas têm me perguntado se há algum livro que explique o que é a Homeopatia para leigos. Pesquisando no Submarino, achei este excelente: Larousse de Homeopatia. Vale a leitura!

Homeopatia Contra Dengue: Agora em Macaé

Posted in dengue, homeopatia às 3:26 pm por Marcelo Guerra

“…Complexo homeopático contra sintomas da dengue continua disponível para população

ABN – Agência Brasileira de Notícias

http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=43767

02/05/2007 06:44

MACAÉ – O complexo homeopático que está sendo usado como auxílio no controle dos sintomas da dengue continua disponível em pontos estratégicos da rede municipal de saúde. A informação foi passada pela coordenadora de saúde coletiva da secretaria de Saúde, Laila Aparecida de Souza, na segunda-feira (30).

Segundo Laila, o complexo homeopático é tomado em dose única. Quem quiser tomar o complexo, pode se dirigir a um dos núcleos do Programa de Saúde da Família (PSF) e ao Núcleo de Atendimento à Mulher e à Criança, no bairro Aroeira.

A coordenadora de saúde coletiva destacou que a homeopatia também está sendo usada no tratamento da dengue. “Estamos usando a homeopatia tanto na prevenção, quanto no tratamento”, comentou a médica, lembrando que o complexo homeopático não é vacina, logo, não imuniza contra a doença, mas auxilia no controle dos sintomas, evitando agravação da dengue.

– A utilização do complexo homeopático é pioneira em nossa região e traz como benefício para a população a amenização da febre, das dores no corpo e a diminuição dos riscos de complicações da dengue. É necessário, no entanto, que toda a população continue a fazer sua parte, não deixando água parada e procurando sempre um posto médico quando identificar os sintomas – ressaltou.

O complexo homeopático contra a dengue voltará a ficar disponível na Unidade de Saúde Jorge Caldas, no Centro, a partir do dia 07 de maio…”

2 maio, 2007

Encanto

Posted in amizade, Blogroll, saúde às 5:09 pm por Marcelo Guerra

encanto é o nome do blog da Elisabete Cunha, que também é adepta da Saúde Alternativa, leitora e incentivadora do blog.

Beijão!