27 agosto, 2007

Chocolate e Sexo: como você saboreia?

Posted in alimentação, comportamento, relacionamento, sexo às 12:22 pm por Marcelo Guerra

chocolate061204.jpg

Publicada em24/08/2007 às 11h24m
Renata Cabral – O Globo Online
RIO – Algumas combinações são propícias ao pecado: chocolate e sexo é uma delas. Frutos proibidos, fontes de prazer, essa dupla inspirou o sexólogo e secretário da Comissão dos Estudos em Terapia Sexual do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática Amaury Mendes Júnior a realizar um estudo sobre a relação entre a forma de saborear o doce e se relacionar com a sexualidade. Tudo começou no consultório, ao observar os hábitos de seus pacientes. E hoje ele usa a técnica como um dos meios de desvendar o que aflige os casais que o procuram:
– Esses registros transcendem o comportamento sexual. É mais fácil atribuir a culpa ao sexo, mas muitas vezes repetimos
essa maneira de agir o dia todo. A diferença é que a presença do outro é sempre reveladora – constata o médico. – Por meio
do chocolate, é possível perceber e cuidar dessas atitudes de um ponto de vista leve e divertido.
O especialista conta que as semelhanças entre as duas atividades – motivo que inspirou o estudo – são maiores do que
podemos imaginar. O chocolate possui propriedades calmantes e libera o hormônio endorfina, responsável por elevar a
auto-estima, promover o bem-estar e afastar a ansiedade. A sensação é muito parecida com a de um orgasmo, o auge do
prazer sexual. Além disso, desde os tempos antigos, o doce é usado como afrodisíaco e, até hoje, faz parte do jogo das
conquistas amorosas. Embora, por si só a análise não seja capaz de definir a personalidade de uma pessoa, pode ser bastante reveladora. (Conheça os segredos de algumas mulheres)
Comedida ou devoradora? Descubra seu perfil
· Gulosa – come muitos pedaços. Para essas pessoas, o sexo é rápido, por vezes supérfluo. Têm o intuito de agradar o parceiro, mas acabam prejudicando a relação. Se for do sexo masculino, pode sofrer de ejaculação precoce.
· Desconfiada – gosta de chocolate, mas nunca aceita quando lhe oferecem. É cismada, ciumenta e controlada.
· Seletiva – prova vários sabores, mas não encontra um que lhe satisfaça. Em geral, são mulheres de boas condições financeiras sem grandes obstáculos na vida, mas que enfrentam dificuldades de obter prazer.
· Exigente – degusta apreciando a aparência, o aroma, a textura e o sabor do chocolate. Ela sabe curtir o sexo e exige bastante do parceiro. Pode estar insatisfeita em seus relacionamentos.
· Devoradora – é capaz de engolir um bombom inteiro sem morder, liquidar uma barra de chocolate de uma só vez. É
característico de quem se acostumou a abreviar as brincadeiras sexuais, de casais que estão juntos há anos.
· Generosa – come um pedaço e guarda o resto para depois. Pode existir uma terceira pessoa nesse relacionamento.

Anúncios

Ler e dormir bem ajudam a preservar a memória

Posted in memória, sono às 12:15 pm por Marcelo Guerra

hypnos-thanatos.jpg

Publicada em 26/08/2007 às 11h39m
O Globo Online; O Globo
RIO – Esquecer de pagar uma conta ou não se lembrar onde deixou as chaves são situações normais. O problema é quando esses brancos começam a acontecer com freqüência. E nesse caso o motivo pode ser ansiedade, estresse, depressão, e até mesmo doenças degenerativas, como mal de Alzheimer. De acordo com reportagem publicada neste domingo pelo jornal ‘O Globo’, para prevenir as falhas de memória , neurocientistas e neurologistas recomendam manter o cérebro sempre ativo. Levar vida saudável e dormir bem são outras medidas importantes.
Depois dos 60 anos, a velocidade de processamento de informações diminui. Adquirir e reter novas informações, lembrar nomes e evitar distrações ao iniciar uma atividade, fica mais difícil. Esses esquecimentos ocorrem devido a perda gradual do estoque de neurônios, que ocorre com o envelhecimento. No entanto, neurônios normais no cérebro envelhecido são capazes de formar novas conexões numa tentativa de compensar as áreas afetadas. Ainda de acordo com a reportagem, na XXII Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental (Fesbe), em Águas de Lindóia, o cientista Sidarta Ribeiro, do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINNELS), apresentou um estudo sobre os mecanismos relacionados à propagação de memórias durante o sono. Segundo o pesquisador, a fase REM (sigla em inglês para movimento rápido dos olhos), que se caracteriza por intensa atividade no eletroencefalograma, é essencial para consolidar as memórias, guardadas em vários arquivos no cérebro.

23 agosto, 2007

Álcool diminui o prazer e o uso da camisinha entre adolescentes

Posted in adolescente, comportamento, compulsão, dependência, drogas, sexo, vício às 6:36 pm por Marcelo Guerra

camisinha.jpg

Além de diminuir o prazer sexual, o álcool faz garotos adolescentes terem menos cuidados nas relações sexuais. Essa é uma das principais conclusões do trabalho produzido pelo aluno do sexto ano de medicina da Unifesp Danilo Torcato Ivankovich, que teve a orientação do professor Mauro Fisberg e da professora Élide Helena Medeiros.

O pesquisador constatou que dos 42% de jovens que mantêm relação sexual depois de beber, 13% usam com menos freqüência a camisinha. “Muitas vezes, o jovem deixa de usar o preservativo porque não dispõe no momento e não quer adiar a oportunidade”, explica Danilo. Embora esse número possa parecer pequeno, é uma parcela significativa em termos de saúde publica. “São jovens sujeitos a uma gravidez indesejada, Aids e doenças sexualmente transmissíveis (DST)”, diz Danilo.

Um bom exemplo dessa realidade é a experiência do estudante A.A., de 17 anos. Segundo ele, nas vezes em que manteve relações sexuais alcoolizado nem sempre se preveniu como deveria.

“Na hora até passa pela cabeça usar a camisinha. Mas você acaba deixando para lá e não pensa nos perigos que está correndo”, afirma o estudante.

Quando os jovens não estão sob o efeito do álcool, grande parte mostra estar consciente da necessidade de usar preservativo. Entre os entrevistados sexualmente ativos, 74% dos garotos sempre fazem uso do preservativo, enquanto entre as meninas, 57% afirmam o mesmo.

Realizado com duas escolas sorteadas da cidade de São Paulo, uma pública e outra particular, o estudo envolveu 1.175 adolescentes com idade entre 14 e 19 anos, todos estudantes do ensino médio.

Os resultados desse trabalho foram apresentados durante o 8º Congresso de Iniciação Científica, realizado nos dias 4 e 5 de outubro, na Unifesp.

O trabalho, que faz parte das atividades desenvolvidas pela monitoria no setor de Pediatria, traça o perfil dos adolescentes que fazem uso do álcool e sugere os fatores relacionados ao risco do consumo, tanto na vida social quanto sexual.

Entre o grupo de adolescentes que mantêm relações sexuais após beber, apenas 38% disseram sentir alteração no prazer durante a relação. Para a maioria das meninas (68%) o prazer aumenta, enquanto com os garotos isso não acontece: 65% disseram que o prazer diminui. É o caso do auxiliar de serviços gerais Paulo Augusto Toledo dos Santos, de 19 anos. “Para mim, a bebida diminui muito o meu prazer sexual. Sinto uma grande diferença em relação a quando estou sóbrio”, relata.

A explicação para os diferentes resultados da sensação de prazer entre os sexos pode estar ligada ao estado emocional que a mulher apresenta. “A mulher alcoolizada se sente mais solta e relaxada, com isso diminui a ansiedade”, avalia Ronaldo Laranjeira, chefe da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (Uniad). Da mesma opinião compartilha o chefe do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes (Proad), Dartiu Xavier da Silveira. “Com a mulher, o álcool proporciona a desinibição para o sexo, enquanto para o homem isso não acontece”, diz Dartiu.

Os alunos entrevistados foram divididos entre aqueles que nunca consumiram bebida alcoólica (17,5%), os que bebem pelo menos uma vez por semana (29,1%) e aqueles que consomem menos de uma vez por semana (53,4%). Em 83% dos casos, os jovens assumiram já ter consumido álcool ao menos uma vez.

De um modo geral, os jovens começaram a beber aos 12 anos de idade. “Isso comprova o aumento da incidência e a precocidade do consumo”, analisa Danilo. “As campanhas promovidas pelo governo têm de lembrar que o consumo do álcool começa em uma festa, numa descontração”, conclui o aluno.

Fonte: Unifesp

Estudos revelam como dependência de álcool e cocaína é mais grave em jovens

Posted in adolescente, comportamento, compulsão, dependência, drogas, vício às 5:24 pm por Marcelo Guerra

sriimg20060523_6743371_2.jpg

Publicada em 23/08/2007 às 06h42m
Roberta Jansen – O Globo
RIO – As mesmas substâncias presentes no cérebro dos adolescentes que os tornam mais ousados e destemidos nessa fase da vida são responsáveis também por deixá-los mais vulneráveis a drogas como a cocaína e o álcool. Novas pesquisas realizadas por grupos da USP revelam os mecanismos que fazem com que a dependência seja mais grave em jovens do que em adultos.
Trabalho desenvolvido no Laboratório de Farmacologia Comportamental e Neuroquímica da USP, pelo grupo da pesquisadora Rosana Camarini, mostra que camundongos adolescentes submetidos a cocaína ou álcool apresentam respostas comportamentais e neuroquímicas diferentes daquelas de animais adultos. Os resultados sugerem que o mesmo aconteceria em seres humanos.
– Nosso objetivo é estudar as diferenças entre adolescentes e adultos nas respostas a algumas drogas de abuso – explicou Rosana, que apresentará o estudo hoje na XXII Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental, em São Paulo. – Começamos a estudar isso porque existem diferenças de desenvolvimento. Algumas estruturas do cérebro ainda não estão totalmente desenvolvidas nos mais jovens, como o córtex pré-frontal, responsável, entre outras coisas, pela tomada de decisões e a agressividade.
Além disso, existe uma diferença neuroquímica importante entre o cérebro do adolescente e o do adulto, relacionada à concentração de dopamina, um neurotransmissor relacionado à motivação e à impulsividade. A presença da substância é reduzida à medida que a pessoa envelhece.
– A maior concentração da dopamina e o córtex pré-frontal ainda não totalmente desenvolvido são, em parte, responsáveis pelo comportamento mais impulsivo dos adolescentes.
Ocorre que, embora por mecanismos diferentes, tanto o álcool quanto a cocaína induzem um aumento da concentração de dopamina no cérebro. A pesquisa mostrou que os animais jovens tratados com cocaína apresentam maior excitabilidade locomotora do que os adultos. Eles também liberam mais dopamina (neurotransmissor estimulante) na parte do cérebro que controla as sensações de dependência, recompensa, prazer e motivação – o que sugere uma expectativa maior pela droga.
– Observamos que quanto mais cedo o jovem entra em contato com a droga, maior a possibilidade de se tornar dependente – disse a pesquisadora. – E uma das hipóteses para que isso ocorra é o fato de já ter naturalmente uma maior concentração de dopamina.

cisa.jpg

Posted in autoconhecimento, comunidade, desenvolvimento às 4:03 pm por Marcelo Guerra

Vivemos um momento em que a humanidade parece estar sendo testada em sua capacidade de lidar com o mal, representado por terrorismo, vandalismo, espancamentos gratuitos, ganância desenfreada de algumas empresas, e por aí vai. Este é o momento para que as pessoas se organizem em comunidades, não somente segundo o local geográfico em que estão, mas também (e principalmente) segundo ideais espirituais.

Segundo um autor russo chamado Sergei Prokofieff, “quando seres humanos se unem em liberdade em torno de uma base puramente espiritual, eles podem provocar não apenas um incremento, mas uma potenciação das forças do bem no mundo, o que não é possível da mesma forma no caso de uma pessoa isolada.” (in O Encontro com o Mal).

Neste sentido, muitas comunidades têm se formado na internet, com pessoas de diferentes pontos do mundo, mas com sintonia de ideais, nem sempre bons, é verdade. Participar, não se isolar, formar laços, isto é o que precisamos realizar para trazer o BEM para o centro da mesa.

22 agosto, 2007

Defesa de Tese de Mestrado sobre Homeopatia

Posted in homeopatia, sus às 6:27 pm por Marcelo Guerra

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO 2007/2

DIA 24 DE AGOSTO – 6ª FEIRA

às 14:00h

A MEDICINA HOMEOPÁTICA: AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS

Ana Rita Vieira de Novaes

Orientadora: Alacir Ramos Silva

Banca examinadora: Jorge Calmon Biolchine, Denise SilveiraCastro, Francis Sodré e Maria Helena Costa Amorim

Quem tece o fio do destino?

Posted in comportamento, destino às 10:09 am por Marcelo Guerra

http://tecerdavida.wordpress.com/2007/08/21/as-moiras-filhas-do-destino/

21 agosto, 2007

O Tecer da Vida

Posted in autoconhecimento, biográfico, destino, psicoterapia, tear, tecer, terapia biográfica, workshop às 9:10 pm por Marcelo Guerra


O destino lança seu fio sobre o qual a vida se desenrola (e, às vezes, se enrola). Tecer a vida significa colocar este fio de forma harmoniosa no conjunto de nossa existência, invidualmente e enquanto participante da sociedade.

20 agosto, 2007

E ontem passamos das 100.000 visitas…

Posted in blog às 1:49 pm por Marcelo Guerra

Muito obrigado!!!!!

E ontem passamos das 100.000 visitas…

Posted in blog às 1:49 pm por Marcelo Guerra

Muito obrigado!!!!!

Próxima página