22 agosto, 2008

Homeopatia: Revolução na arte de curar

Posted in homeopatia às 1:14 pm por Marcelo Guerra

A homeopatia contrariando o que muitos pensam, não é considerada uma medicina alternativa, e sim uma especialidade terapêutica, pois foi reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e pela Associação Médica Brasileira (AMB) na década de 80.

O homeopata Luiz Carlos Rodrigues, explica que a ciência homeopática respeita a sabedoria do corpo humano, ou seja, “é uma abordagem que vai utilizar medicamentos com o intuito de estimular os sistemas defensivos e imunológicos para que o próprio corpo inicie o processo de cura”.

Foco no paciente e não na doença

Luiz Carlos explica que o tratamento homeopático fundamenta-se sobre o “princípio da semelhança”, isto é, a substância capaz de provocar sintomas em um indivíduo saudável é capaz de tratar um indivíduo que apresente sintomas semelhantes.

E completa dizendo que na medicina convencional ou tradicional existe uma grande quantidade de substâncias químicas no medicamento. “Já na homeopatia não existe quantidade significativa de substância química, pois nosso foco é descobrir o problema do paciente individualmente e não oferecer para ele um medicamento que vai aliviar aquela dor momentaneamente”, diz.

Homeopata Luiz Carlos:”Nosso foco é no paciente”

Outra diferença notável destacada pelo médico é que a homeopatia trata o indivíduo de forma única.

“Se um paciente chega ao meu consultório dizendo que está, por exemplo, com dor de cabeça, eu não vou indicar para ele um medicamento padronizado, e sim, vou analisar aquele paciente e descobrir o motivo pelo qual ele está com aquela dor. É fato que dor de cabeça todo mundo tem, mas o que diferenciada uma dor da outra? É isso que fazemos, descobrimos que tipo de dor de cabeça aquela pessoa tem e qual tratamento é melhor para ela”, diz.

Rodrigues acrescenta que é preciso fazer pesquisa na área homeopática sempre. “O país tem uma biodiversidade imensa, então certamente algumas delas podem representar um medicamento importante. E para isso acontecer, precisamos ter profissionais pesquisando a todo momento”.

Caso de sucesso

A dona de casa Dulcileide de Araújo, 48, conta que sua família só faz tratamento com remédios homeopáticos. “Nós usamos esse tipo de tratamento há quase 15 anos. Minhas filhas sempre tiveram muita alergia e nenhum remédio alopático fazia efeito, aí resolvi levá-las em um homeopata que descobriu o motivo da alergia delas, passou um medicamento diferente para cada uma e hoje nenhuma tem alergia”, conta.

As filhas de dona Dulcileide, a estudante de enfermagem Camilla Araújo, 21 anos, e a fisioterapeuta Manuela Araújo, 24 anos, contam que após o tratamento homeopático as alergias desapareceram. “A homeopatia mobiliza o doente em direção à harmonia, com melhoria global e conseqüente desaparecimento das suas doenças. Por isso, o medicamento movimenta a pessoa como um todo,

reorganizando-a e assim, atingindo a cura. Desde quando comecei meu tratamento, a alergia nunca mais apareceu”, diz Camilla.

Manuela Araújo que faz tratamento desde os cinco anos de idade, afirma que as pessoas deveriam investir mais nesse tipo de tratamento. “Acho que as pessoas deveriam optar pelos medicamentos homeopáticos, pelos benefícios que eles trazem”.

Por Mariana Rocha e Gabriela Amorim

Anúncios

Convite para um Trabalho Biográfico

Posted in antroposofia, biográfico, terapia biográfica, terapia de grupo tagged , , , às 10:21 am por Marcelo Guerra

labirinto de Chartres

O Labirinto é um antigo símbolo de unicidade, que combina a imagem do círculo e da espiral com um caminho que tem um objetivo. Ele representa uma jornada ao nosso centro e de volta ao nosso mundo externo. A forma do labirinto nos faz lembrar que há um sentido na existência, e nos remete ao sentido de nossas próprias vidas.O Grupo de Terapia Biográfica Labirinto é formado por três profissionais que buscam resgatar o sentido latente em cada existência.

* Ana Maria Lucchesi, psicóloga, psicoterapeuta e biógrafa
* Marcelo Guerra, médico homeopata e biógrafo

Os trabalhos são realizados em regime de imersão, em locais reservados, onde os participantes podem dedicar-se a trabalhar o seu interior, para retornarem ao seu mundo renovados e modificados.

O próximo Encontro Biográfico ocorrerá perto de Belo Horizonte, no Retiro das Rosas, na estrada de Ouro Preto, de 25 a 28 de setembro. Escreva para labirinto@terapiabiografica.com.br para mais informações.

O objetivo do Trabalho Biográfico é conhecer a sua vida e percorrer os caminhos da sua própria história reconhecendo os fios que te conduziram até o momento. Através do levantamento dos fatos da sua própria vida e da leitura consciente desses fatos, você trabalhará o panorama familiar e individual desde o seu nascimento até o dia de hoje, podendo então reescrever a sua história com linhas e fios mais claros, passando pelo centro do seu próprio destino.

De dentro de sua história, e só assim, é possível você reconhecer sua missão humana e transformá-la em ação consciente no mundo.

Este trabalho será em regime de imersão, de quinta-feira à tardinha a domingo após o almoço, em lugar selecionado para instrospecção e cura.

Ministrado por:

Berenice von Rückert – Biógrafa e Socióloga, Pedagoga Social
Ana Maria Lucchesi – Psicóloga, Psicoterapeuta e Biógrafa
Marcelo Guerra – Médico Homeopata, Acupunturista e Biógrafo

Valor do Trabalho: R$ 1.035,00
Forma do Acerto: para reservar sua vaga, deve ser pago adiantado o valor de R$ 345,00. O restante poderá ser pago em mais duas parcelas.

Local: Retiro das Rosas

20 agosto, 2008

Trabalho Biográfico em Minas Gerais

Posted in antroposofia, psicoterapia, terapia biográfica, terapia de grupo às 12:07 pm por Marcelo Guerra

O Labirinto é um antigo símbolo de unicidade, que combina a imagem do círculo e da espiral com um caminho que tem um objetivo. Ele representa uma jornada ao nosso centro e de volta ao nosso mundo externo. A forma do labirinto nos faz lembrar que há um sentido na existência, e nos remete ao sentido de nossas próprias vidas.

O Grupo de Terapia Biográfica Labirinto é formado por três profissionais que buscam resgatar o sentido latente em cada existência.

* Ana Maria Lucchesi, psicóloga, psicoterapeuta e biógrafa
* Marcelo Guerra, médico homeopata e biógrafo

Os trabalhos são realizados em regime de imersão, em locais reservados, onde os participantes podem dedicar-se a trabalhar o seu interior, para retornarem ao seu mundo renovados e modificados.

O próximo Encontro Biográfico ocorrerá perto de Belo Horizonte, no Retiro das Rosas, na estrada de Ouro Preto, de 25 a 28 de setembro. Escreva para labirinto@terapiabiografica.com.br para mais informações.

O objetivo do Trabalho Biográfico é conhecer a sua vida e percorrer os caminhos da sua própria história reconhecendo os fios que te conduziram até o momento. Através do levantamento dos fatos da sua própria vida e da leitura consciente desses fatos, você trabalhará o panorama familiar e individual desde o seu nascimento até o dia de hoje, podendo então reescrever a sua história com linhas e fios mais claros, passando pelo centro do seu próprio destino.

De dentro de sua história, e só assim, é possível você reconhecer sua missão humana e transformá-la em ação consciente no mundo.

Este trabalho será em regime de imersão, de quinta-feira à tardinha a domingo após o almoço, em lugar selecionado para instrospecção e cura.

Ministrado por:

Berenice von Rückert – Biógrafa e Socióloga, Pedagoga Social
Ana Maria Lucchesi – Psicóloga, Psicoterapeuta e Biógrafa
Marcelo Guerra – Médico Homeopata, Acupunturista e Biógrafo

Valor do Trabalho: R$ 1.035,00
Forma do Acerto: para reservar sua vaga, deve ser pago adiantado o valor de R$ 345,00. O restante poderá ser pago em mais duas parcelas.

Local: Retiro das Rosas

11 agosto, 2008

Triste notícia sobre dependência de drogas

Posted in dependência, drogas às 9:49 pm por Marcelo Guerra

Christiane F. voltou às drogas, dizem jornais alemães

A alemã Christiane Felscherinow -protagonista do best-seller da década de 80, “Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída”- voltou a ganhar destaque na imprensa alemã por, supostamente, ter voltado ao vício, aos 46 anos de idade.

Uma reportagem do tablóide berlinense B.Z. diz que a recaída foi um dos motivos que levou as autoridades do país a assumir a guarda do filho de Christiane, de 11 anos.

De acordo com o jornal, o menino está morando em um abrigo para crianças nas redondezas de Berlim, e os avós do garoto deverão ajudar a decidir onde será sua futura moradia.

Christiane F. tomou a primeira dose de heroína aos 13 anos e aos 14 começou a se prostituir para sustentar o vício.

Fuga
O novo drama de Christiane teria começado no início deste ano, quando ela e o namorado decidiram emigrar para Holanda, levando o menino.

Ao ter conhecimento do plano, o juizado de menores tomou a criança da mãe, com ajuda de policiais. Pouco tempo depois, ela seqüestrou o próprio filho e fugiu para Amsterdã. Na capital holandesa, Christiane teria voltado a consumir heroína.

Após brigar com o namorado, a alemã voltou no fim de junho à Alemanha e, ainda no trem, entregou seu filho à Polícia Federal alemã.

Segundo a imprensa local, amigos e conhecidos contam que Christiane tem buscado as antigas amizades da época das drogas, passa a noite na casa de amigos e freqüenta uma praça de Berlim famosa como ponto de venda de entorpecentes.

O tablóide “Bild” cita a mãe de Christiane, que teria visitado o neto duas vezes no abrigo infantil. Ela se disse “chocada” com a situação e não sabe o que fazer para ajudar a filha.

De acordo com o periódico, o juizado afirmou que a criança só poderá voltar ao convívio da mãe caso Christiane supere seus problemas psiquiátricos e a dependência de drogas.

Recaídas
Após uma trajetória de repetidas tentativas de desintoxicação, a alemã parecia ter vencido a luta contra as drogas apesar de ter admitido, durante uma entrevista à televisão alemã em maio do ano passado, que temia “recaídas”.

Christiane ainda disse que ingeria com freqüência a metadona, um medicamento usado na terapia para dependentes de heroína.

“Tomo diariamente uma dose pequena”, afirmou, contando ter medo de enfrentar novos problemas que a impedissem de criar seu filho.

“De outra forma, não sei o que aconteceria”, disse Christiane F. na época. “A metadona é para mim uma segurança, para que eu não caia num buraco.”

Desempregada, dizia ainda se sentir à margem da sociedade, tendo como sua principal fonte de renda o dinheiro que recebe mensalmente pelos direitos do romance que a tornou famosa.

3 agosto, 2008

Meditação é adotada por neurocientistas e psicólogos

Posted in meditação tagged às 9:44 pm por Marcelo Guerra

Do Globo Online

RIO – Confortavelmente sentado, cerre os olhos, respire fundo e esvazie a sua mente dos preconceitos em torno da meditação. Durante muito tempo considerada uma prática mística e esotérica, com todo o teor pejorativo que isso possa carregar, a meditação está passando por um processo de reciclagem.

Já aceita como um fenômeno físico, graças a recentes estudos do cérebro, ela tem sido usada por neurocientistas, psicólogos e outros especialistas como uma valiosa ferramenta, uma espécie de Lexotan espiritual, no tratamento de diversas doenças, segundo reportagem do jornal “O Globo” deste domingo.

– Quimicamente, a meditação parece estimular uma maior produção de certos neurotransmissores no cérebro, como a dopamina, responsável pelo sentimento de prazer e bem-estar, e a serotonina, ligada à sensação de felicidade – explica o psicólogo e mestre em neurociências da USP, Leonardo Mascaro, que acaba de lançar o livro “A arquitetura do eu”. – Isso tudo ajudaria a explicar as melhorias de humor registradas nos praticantes de meditação.

Em torno desse relativamente novo conceito, a meditação tem sido estudada por meio de técnicas científicas, como a análise das ondas cerebrais e procedimentos de diagnóstico por imagens, como o eletroencefalograma. O objetivo de especialistas como o médico psiquiatra Alcio Braz, mestre em antropologia social, é entender como a meditação atua no cérebro enquanto seus praticantes encontram-se imersos em profundos estágios de interiorização.

– A medicina ainda não explica todos os efeitos da meditação – diz Alcio Braz, que é chefe do Serviço de Saúde Mental do Hospital da Lagoa. – Sabe-se que parte desses efeitos tem a ver com modificações dos padrões de resposta a situações estressantes, com aumento da atividade de áreas de inibição da ansiedade e diminuição da secreção dos hormônios vinculados à reação aguda ao estresse.