28 março, 2009

Hora do planeta

Posted in saúde às 12:19 pm por Marcelo Guerra

Sábado, 28 de março, às 20h30

O WWF-Brasil participa pela primeira vez da Hora do Planeta, um ato simbólico, que será realizado dia 28 de março, às 20h30, no qual governos, empresas e a população de todo o mundo são convidados a apagar as luzes para demonstrar sua preocupação com o aquecimento global.
O gesto simples de apagar as luzes por sessenta minutos, possível em todos os lugares do planeta, tem como objetivo chamar para uma reflexão sobre a ameaça das mudanças climáticas.

Participe! É simples. Apague as luzes da sua sala. hora_do_planeta3

19 março, 2009

Obesidade e pobreza: podem existir juntas?

Posted in obesidade às 10:45 am por Marcelo Guerra

gordos

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade atinge 7% da população mundial e o sobrepeso chega a 20%. No Brasil, de acordo com dados da Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição (PNSN), o excesso de peso está presente em 27 milhões de indivíduos. Desses, 6,8 milhões são classificados como obesos.

O artigo Obesidade e pobreza: o aparente paradoxo. Um estudo com mulheres da Favela da Rocinha, Rio de Janeiro, publicado na edição de dezembro dos Cadernos de Saúde Pública, mostra que o perfil do problema no país apresenta comportamento pouco homogêneo: a maior prevalência ocorre em mulheres pobres na região Sudeste.

“O impacto é notório na população adulta feminina, especialmente a inserida nos menores percentuais de renda”, relatam no artigo as pesquisadoras Rosana Magalhães, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e Vanessa Ferreira, das Faculdades Federais Integradas de Diamantina (Fafeid), em Diamantina (MG). “Dos 6,8 milhões de obesos diagnosticados pela PNSN, 70% são do sexo feminino e com baixa renda.”

O estudo envolveu a análise das práticas alimentares, da rotina de atividades físicas e da qualidade de vida de um grupo de mulheres pobres e obesas, moradoras da Favela da Rocinha, na zona Sul do Rio de Janeiro. O objetivo foi investigar o fenômeno da obesidade no contexto da pobreza.

Dentre as analisadas, com idades entre 34 e 60 anos e todas com baixos rendimentos mensais, 57% apresentaram obesidade classe I (Índice de Massa Corpórea – IMC entre 30 e 34,9) e 43% obesidade classe II (IMC entre 35 e 39,9) com riscos de co-morbidade (ocorrência conjunta de dois ou mais transtornos num mesmo indivíduo) moderada e grave.

Dentre os critérios para o consumo alimentar no grupo, foi verificada uma estreita relação entre alimentação e condições socioeconômicas. O critério de seleção dos alimentos pelas mulheres da Rocinha foi verificado como pautado pelo valor monetário dos alimentos.

“As estratégias de consumo alimentar estão caracterizadas pela seleção de alimentos baratos, de alta densidade calórica e baixo valor nutritivo, por meio dos quais os mais pobres conseguem as calorias de que necessitam para sobreviver”, diz o artigo. Para piorar a situação, nos relatos raramente foram citadas a prática de atividades físicas e momentos de descanso ou lazer.

As autoras evidenciam a necessidade de entender a obesidade enquanto uma enfermidade não apenas física, mas também social. “Ela está articulada à dinâmica social e adquire contornos próprios em cada segmento. A pobreza de fato determina a obesidade entre as mulheres brasileiras”, explicam as autoras.

A necessidade de desconstruir a idéia de obesidade enquanto uma enfermidade associada à abundância e aos excessos alimentares faz parte das conclusões do artigo. “A obesidade surge como mais uma face da desigualdade social no país. Por isso, é importante reconhecer os novos contornos da pobreza para que novas estratégias em saúde pública sejam traçadas”, afirmam.

Leia a pesquisa na íntegra.

Fonte: Agência FAPESP

17 março, 2009

Alfazema

Posted in fitomedicina, fitoterapia, medicina natural, plantas medicinais, saúde às 2:32 pm por Marcelo Guerra

alfazema
Sinônimos: Lavandula vera, Lavandula officialis, alfazema do mato: Excitante   e antiespasmódica. Na falta de regras, promove ou restabelece o fluxo  menstrual. Usa-se o chá das folhas para expelir gases intestinais. Para   asma, afecções do fígado e baço, nervosismo, dor de cabeça, neurose   cardíaca, flatulência, tosses catarrais, feridas, abcessos, acne,  reumatismo, gota. Sua essência combate piolhos e outros parasitas. A infusão  das sementes serve para digestões difíceis.

16 março, 2009

Biográfico em Nova Friburgo

Posted in terapia biográfica, terapia de grupo às 2:16 pm por Marcelo Guerra

Viver o presente muitas vezes pode significar repetir padrões criados no passado. Esses padrões são inconscientes e geralmente nos damos conta deles justamente quando olhamos para trás. Vemos várias situações que, no momento em que aconteceram, pareciam tão originais, revelarem-se as mesmas, mas com personagens diferentes. Resgatar o passado é justamente tirar a sua vida de lá e trazê-la para o presente, deixando de ser refém do que passou, repetindo padrões que já não cabem mais.Viver o momento atual não pode significar jogar o passado para baixo do tapete, como se não houvesse existido. Porque muito do que vivemos hoje (e que outras pessoas também vivem), foi construído também, criado por ações e omissões nossas no passado. E o futuro poderá ser moldado com metas seguras, afinal estaremos navegando em mares agora conhecidos, apesar das novidades que sempre surgirão em nossas vidas. Quando resgatamos o passado, percebemos esses padrões e podemos conscientemente transformar nossas vidas de forma que atuemos a partir do que o momento presente nos pede e não a partir da repetição de padrões.

Em Nova Friburgo, de 11 a 14 de junho de 2009, no Morgenlicht (feriado de Corpus Christi).

Coordenadores:

  • Rosângela Cunha

Psicóloga, Gestalt-terapeuta e Terapeuta Biográfica

  • Marcelo Guerra

Médico Homeopata e Terapeuta Biográfico

Escreva para santana@terapiabiografica.com.br ou marceloguerra@terapiabiografica.com.br para mais informações. Ou ligue para falar com um de nós:

(21)7697-8982, Marcelo

(32)8841-8660, Rosângela

Investimento:

  • até 31 de março – R$900,00 ou 3x R$300,00;
  • até 30 de abril – R$980,00 ou 1x R$320,00 + 2x R$330,00
  • até 31 de maio – R$1050,00 ou 3×350,00
  • até 11 de junho – R$1150,00 ou 1xR$370,00 + 2x R$390,00

A confirmação da inscrição é feita mediante o depósito da primeira parcela.

12 março, 2009

Mais uma fraude da indústria farmacêutica descoberta

Posted in drogas, remédios tagged às 8:42 am por Marcelo Guerra

medicinemoney

RIO – Scott Reuben, renomado anestesista americano, está envolvido num dos maiores escândalos de fraude em medicina. Uma auditoria descobriu que ele inventou dados e estudos inteiros em pelo menos 21 trabalhos. E alguns dados publicados podem ter favorecido fabricantes de medicamentos, como mostra matéria publicada nesta quinta-feira no jornal O Globo.

Ex-diretor da clínica de dor aguda no Centro Médico Baystate, em Springfield, Reuben admitiu ter apresentado dados falsos em dez estudos publicados na revista especializada “Anesthesia and Analgesia”, bem como em outros 11 trabalhos em publicações como “Acute Pain, Anesthesiology”.

As fraudes se referem à especialidade de Reuben: anestesia multimodal, ou o uso combinado de diferentes classes de drogas contra a dor. A denúncia surpreendeu médicos americanos. Estudos de Reuben recomendam o uso das drogas Celebrex (Celebra, no Brasil) e Lyrica, da Pfizer, na dor no pós-operatório. Tal uso está sendo agora questionado.

Empresas farmacêuticas costumam contratar médicos para conduzir estudos sobre drogas já aprovadas, apontando novos usos. Muitas delas já foram acusadas de financiar estudos de pouco valor científico com o único intuito de convencer os médicos a prescreverem seus remédios. E a Pfizer financiou muitas das pesquisas de Reuben de 2002 a 2007. Porém, ainda não está comprovado que tenha ocorrido falsificações nos estudos da Pfizer.

Fonte: O Globo

11 março, 2009

Curso de nutrição para pais de autistas

Posted in alimentação, criança tagged às 5:56 pm por Marcelo Guerra

oficina-de-sabores

9 março, 2009

Quase metade dos casos de abuso sexual são contra menores de 12 anos, revela hospital

Posted in criança tagged às 5:48 pm por Marcelo Guerra

Hospital Pérola Byington

SÃO PAULO – O Programa Bem-Me-Quer, do Hospital Pérola Byington, divulgou nesta segunda-feira que das 2.330 vítimas de abuso sexual atendidas no hospital no ano passado, 1.103 eram menores de 12 anos. O número representa 47,3% de todos os atendimentos realizados no local.

De acordo com o programa, em todo o ano de 2007 foram atendidas 846 crianças até 11 anos e outras 517 com idade entre 12 e 17 anos.

As queixas de abuso sexual sofridas por pessoas do sexo masculino cresceu 30,8% se comparados os números de 2007 e 2008. No ano passado, 306 pessoas do sexo masculino procuraram o serviço do Bem-Me-Quer do Hospital Pérola Byington contra 234 em 2007.

“As pessoas estão discutindo mais o assunto e, consequentemente, estão mais atentas ao que pode estar acontecendo com as crianças. Desta forma, a família se sente mais segura para procurar ajuda”, afirma Jeferson Drezzet, coordenador do Programa Bem-Me-Quer.

O Projeto Bem-Me-Quer faz parte do Ambulatório de Violência Sexual do Hospital Pérola Byington e é uma parceria entre as secretarias estaduais de Saúde e Segurança Pública. Nele, as vítimas de abuso contam, no mesmo espaço, com uma equipe multidisciplinar capacitada para oferecer ajuda médica e realizar o exame de corpo de delito, simplificando o processo de notificação às autoridades e expondo menos os pacientes.

Fonte: Último Segundo

Plantas medicinais no SUS – 1º passo

Posted in fitomedicina, fitoterapia, plantas medicinais, sus às 12:42 pm por Marcelo Guerra

aroeira

BRASÍLIA – Alcachofra para ajudar na digestão, aroeira da praia para combater inflamação vaginal e unha-de-gato para dores nas articulações. A sabedoria popular conhece há muito tempo o poder das plantas, que começa a ser comprovado cientificamente. Por isso, o Ministério da Saúde elaborou uma lista com 71 plantas que poderão gerar produtos para serem usados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O objetivo da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (Renisus) é orientar estudos que possam subsidiar a elaboração da relação de fitoterápicos disponíveis para uso da população, com segurança e eficácia para o tratamento de determinadas doenças. A relação deverá ser revisada e atualizada periodicamente.

A partir de 2009, o SUS pretende ampliar a lista de medicamentos fitoterápicos disponíveis na assistência farmacêutica básica em todo o país. Atualmente, são oferecidos fitoterápicos derivados de espinheira santa, para gastrites e úlceras, e de guaco, para tosses e gripes.

Os fitoterápicos são os medicamentos obtidos exclusivamente a partir de matérias-primas ativas vegetais. Os medicamentos fitoterápicos utilizados pelo SUS são aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e considerados seguros e eficazes para a população.

O Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, instituído em dezembro de 2008, tem como objetivo inserir, com segurança, eficácia e qualidade, plantas medicinais, fitoterápicos e serviços relacionados à Fitoterapia no SUS. O programa busca também promover e reconhecer as práticas populares e tradicionais de uso de plantas medicinais e remédios caseiros.

Fonte: O Globo

6 março, 2009

Mulheres otimistas vivem mais e com mais saúde

Posted in comportamento às 10:01 am por Marcelo Guerra

optimism

Os otimistas vivem mais e com mais saúde que os pessimistas, disseram pesquisadores americanos na quinta-feira, em um estudo que deve dar aos pessimistas mais uma razão para resmungar.

Os pesquisadores da Universidade de Pittsburgh examinaram as taxas de mortalidade e a incidência de doenças crônicas entre participantes do estudo Iniciativa da Saúde Feminina, que acompanha mais de 100 mil mulheres com mais de 50 anos desde 1994.

As otimistas – ou seja, aquelas que sempre esperam o melhor – tinham 14% menos probabilidade de morrer de qualquer causa do que as pessimistas, e 30% menos chance de morrer do coração, após oito anos de acompanhamento.

As otimistas também tinham menor tendência à hipertensão, à diabete e ao tabagismo.

A equipe liderada por Hilary Tindle também avaliou mulheres altamente desconfiadas de outras pessoas -um grupo que foi chamado de “cinicamente hostil”, pessoas que concordam com frases do tipo “Muitas vezes tive de receber ordens de pessoas que não sabiam tanto quanto eu” ou “É mais seguro não confiar em ninguém”.

– As mulheres cinicamente hostis tinham 16% mais probabilidade de morrer (durante o período do estudo) em comparação com as mulheres que eram menos cinicamente hostis (ou seja, que confiavam mais nas pessoas) – disse Tindle por telefone.

Essas mulheres também tinham uma propensão 23% maior de morrerem de câncer.

Tindle disse que o estudo não prova que atitudes negativas tenham efeitos negativos sobre a saúde, mas afirmou que os resultados sugerem alguma ligação.

– Acho que realmente precisamos de mais pesquisa para criar terapias que atinjam as atitudes das pessoas, para ver se elas podem ser modificadas e se tal modificação é benéfica à saúde.

E para os pessimistas que acham que não há nada a fazer, ela diz:

– Não tenho tanta certeza de que seja verdade. Simplesmente não sabemos.

5 março, 2009

Ingrediente industrial comum pode proteger contra Aids

Posted in doença tagged às 8:45 am por Marcelo Guerra

REUTERS

WASHINGTON – Um ingrediente barato, usado em sorvetes e cosméticos e presente no leite materno, ajuda a proteger macacas contra a infecção por um vírus similar ao da Aids, e pode funcionar para proteger mulheres contra a doença, disseram pesquisadores na quarta-feira. O monolaurato de glicerol (GML) parece conter inflamações e afastar as células que o vírus da Aids costuma atacar, segundo os pesquisadores. Embora não represente 100 por cento de proteção, pode reduzir muito o risco de contaminação entre mulheres. O produto poderia ser usado discretamente e sem reduzir as chances de gravidez, ao custo de poucos centavos por aplicação, de acordo com o artigo publicado na revista Nature por Ashley Haase e Pat Schlievert, da Universidade de Minnesota. – Há anos as pessoas usam o composto como agente emulsificador em uma variedade de alimentos. Ele está no leite materno – disse Schlievert a jornalistas por telefone. O GML está sendo considerado como um aditivo em absorventes porque interfere nas bactérias, particularmente aquelas que podem provocar uma infecção potencialmente fatal, chamada síndrome do choque tóxico. Se for demonstrado que ele funciona com segurança em mulheres, o GML pode ser o primeiro caminho fácil para um microbicida – um gel ou creme que as mulheres pudessem usar na vagina para se proteger contra a transmissão do vírus HIV. O vírus contamina 33 milhões de pessoas no mundo, principalmente na África, e já matou 25 milhões. As principais formas de transmissão são pelo contato sexual, pelo sangue e pelo leite materno. Especialistas dizem que as mulheres casadas estão particularmente vulneráveis porque muitas vezes seus maridos adúlteros se recusam a usar preservativos, ou o casal está tentando ter filhos. Por isso, novas formas de prevenção precisam ser seguras e íntimas. Um microbicida também pode ajudar a proteger homens em relações homossexuais. A equipe de Haase e Schlievert aplicou o GML, misturado ao gel KY, em vaginas de macacas submetidas ao vírus SIV, versão símia do HIV. Quatro de cinco macacas não foram contaminadas, e os exames mostram que o GML afetou a reação imunológica. O HIV é especialmente difícil de combater porque afeta todas as células do sistema imunológico, a defesa do organismo contra um vírus. Quando o HIV infecta uma área como a vagina, as células CD4-T correm em defesa. O corpo dispara sinais químicos chamados citoquinas para trazer mais células T. O HIV pode então contaminar todas elas e se espalhar. O GML parece impedir a citoquina de pedir ajuda e impede que tantas células-T cheguem à área, disseram Haase e Schlievert. Isso por sua vez reduz a chance de o HIV se instalar.

Próxima página